Novena em honra da Imaculada Conceição

2º dia

Maria, Fonte e Poço de Águas Vivas

Para além dos símbolos que aparecem habitualmente nas imagens da Imaculada, também exigem outros que fazem referência a este admirável mistério. No livro do Cântico dos Cânticos o esposo descreve a esposa com imagens de grande beleza, e muitas dessas representações podem ser aplicadas às virtudes de Maria.

“És um jardim fechado, minha irmã e minha esposa, um jardim fechado, uma fonte selada. (…) És a fonte dos jardins, poço das águas vivas,
que correm do Líbano!” Ct 4, 12.15

A água, tendo sido criada por Deus, pela sua transparência apresenta-se como elemento vivificador e purificador que remonta ao Paraíso Terreno e à tradição judaica, onde a água é considerada mãe e matriz.

No centro deste jardim fechado, aos pés da árvore da vida, está a “Fonte Selada”, que gera os quatro rios abraçando os quatro pontos cardiais.

Imagem da força vital do homem e de todas as suas substâncias, Maria é identificada como esta fonte primordial, fonte de sabedoria e torna-se também “fonte selada dos jardins”, que ensina a sabedoria e fecundidade feminina na sua faceta de maternidade virginal e divina, de onde brota para a humanidade, Jesus Cristo, Água da Vida Eterna.

Sendo Fonte da Água Viva, Maria é também caracterizada como Poço, fazendo alusão à metáfora da água aparece citada como «poço de águas vivas». No Apocalipse (14,2) as águas vivas que saem de Jerusalém simbolizam o Espírito de Deus que vivifica toda a terra. «E ouvi um ruído que vinha do céu, como o ruído das águas e o fragor de um grande trovão; e o ruído que ouvia era como o de harpistas, que tocavam as suas harpas».

Sendo assim, Maria é comparada à Fonte e ao Poço, que gera a Água Viva e envolvendo toda a humanidade, oferece-nos a Salvação.