Novena em honra da Imaculada Conceição

3ºdia

Maria, “Arca da Aliança” e “Porta do Céu”

É possível estabelecer um paralelismo entre a arca da aliança e a Virgem Imaculada. Segundo a patrística, do mesmo modo que a Arca da aliança contém a presença real divina, Maria no seu seio levou o próprio Deus; é o precioso cofre que encerra a Sua presença, como aquele que continha o tesouro sagrado do Povo de Israel: as tábuas da lei, símbolo do pacto que Yahvé tinha feito com o seu povo, uma porção do maná e a vara de Arão. Como esse tabernáculo devia estar coberto de ouro, segundo a vontade de Yahvé, a Virgem em prevenção da sua condição de Mãe de Deus, seria revestida e adornada com os dons divinos por dentro e por fora, quer dizer, na sua alma e no seu corpo. É esta a alegoria da sua Imaculada Conceição: Deus não iria permitir que a sombra do pecado manchasse a que havia de ser a Mãe de Jesus Cristo.

Maria é também representada como “Porta do Céu” e esta é uma invocação que se pode considerar sob dois aspetos: Maria é a porta do Céu por onde nos veio o Salvador e é também a porta que nos conduz até Ele. O profeta Ezequiel fala-nos da porta fechada do templo, numa passagem que se aplica ao mistério da sua maternidade virginal. São Jerónimo faz este comentário: “Esta é em Ezequiel a porta oriental, sempre fechada e brilhante, que oculta em si ou manifesta o Santo dos Santos pelo qual entra e sai o Sol da justiça”. Através de Maria, Deus manifesta-se ao mundo enviando-nos o Salvador.

Anastácio de Antioquia chama-a «escada do Céu, porta do paraíso, ponto de união entre os homens e Deus». Através desta Porta nós temos acesso às graças que nos levam ao Céu. Maria favorece a nossa entrada na Morada Eterna.