Novena em honra da Imaculada Conceição

5ºdia

A Palmeira, símbolo da justiça

A Palmeira aparece citada no Eclesiástico (24,14), junto com outras variedades de árvores, como elogio da Sabedoria:

«Cresci como cedro do Líbano e como cipreste nas montanhas do Hérmon. Cresci como a palmeira de En- Guédi, como uma formosa oliveira na planície…»

As árvores sempre verdes e com vida, proporcionam um toque de esperança e salvação. A liturgia aplica esta passagem à Virgem Maria e assim encontramos a palmeira na icnografia da Imaculada.

A justiça é uma virtude simples, reta, sem complexos e sem presunções;

E a palmeira é também imagem desta virtude porque o seu tronco é reto e se eleva a grande altura, sem ramificações adicionais. Dele brotam as folhas que a coroam e também os cachos com os frutos, que tardam a nascer como tardam os prémios da justiça.

A palmeira, como esta virtude não pode perder a sua folhagem, pois perderia a sua perfeição. Se a justiça necessita beber da fonte espiritual das divinas escrituras, a palmeira necessita de nascer próxima de um curso de água.

Também Maria, à semelhança da palmeira está próxima da água da vida que é Jesus Cristo. Na palmeira a Imaculada é imagem de triunfo da salvação de Deus, da sua esperança e da sua justiça; de forma antecipada a todo o cristão, ela goza desses frutos de salvação.

Símbolo de fecundidade, de beleza, de paz ou de martírio, a palmeira ergue-se sempre esbelta. As folhas, como sinal de vitória e de oferenda, as levarão os santos mártires. Também Maria é a toda bela e é para nós sinal da vitória sobre o mal, pois nela não há mancha de pecado.