"Todo o Sim, para ser verdadeiro, tem de ser agarrado à Cruz"

O meu nome é Madalena e tenho 19 anos. Cresci como uma criança normal, no seio duma família cristã, que me educou na Fé. Por graça de Deus, fui baptizada no dia 8 de Dezembro, dia da Imaculada Conceição.

Há medida que fui crescendo fui-me desinteressando por Deus, já não queria ir à Missa, fugia da catequese e até os escuteiros, que eu tanto gostava, acabei por deixar. Quis tirar completamente Deus da minha vida, mas Ele é que nunca me tirou da Sua vista. Dizia à minha avó que quando fosse crismada nunca mais poria os pés numa Igreja, coisa que a deixava muito triste, pois tinha uma grande fé. 

Porém, Deus às vezes , serve-se de grandes adversidades para nos fazer crescer e percebermos qual o sentido da nossa vida que é tão passageira aqui na terra. Uns meses antes de ser crismada a minha avó faleceu e foi a partir desse momento que comecei a olhar para o mundo de outra forma. Parece que me tinha deixado em herança a sua grande fé.

No mesmo ano, entrei para o grupo de jovens e comecei numa busca incessante de Deus. Era só junto Dele que encontrava paz e por isso sentia uma grande necessidade de ir mais vezes à Missa e estar em silêncio com Ele. Mais tarde, fiz um retiro com o meu grupo de jovens em que foi dado a cada um uma imagem das diferentes partes da Paixão do Senhor e tínhamos que falar sobre ela e sobre o que essa imagem nos poderia querer dizer. A mim calhou-me a parte em que as mulheres estão no túmulo a adorar o corpo de Jesus e a prepararem aromas e perfumes para adorná-Lo. Eu não entendi absolutamente nada, mas hoje quando olho para essa imagem , vejo-a como um grande sinal de Deus!  Em conversa com um sacerdote que nos acompanhava no retiro, ele questiona-me sobre uma vida de consagração a Deus ao que lhe respondo que está completamente fora de questão, que nunca me imaginaria viver uma vida assim. Fiquei muito incomodada com a conversa, mas deixou-me alguma inquietação. De vez em quando ia ter com ele e perguntava-lhe como era isso de ser freira até que um dia ele me propôs vir fazer uma experiência vocacional no Mosteiro de Sta. Beatriz da Silva em Viseu. Eu aceitei na certeza que não iria gostar e que ao segundo dia ligava a alguém para me vir buscar. Longe de mim imaginar as surpresas de Deus! Foi uma semana incrível em que encontrei uma paz que procurava há tanto tempo, já não me queria ir embora!

E assim, três anos depois entrei neste mosteiro e estou muito feliz , na certeza que todo o SIM para ser verdadeiro, têm de ser agarrado à cruz. Esta é a marca de Jesus! Dou graças a Deus por me ter chamado a uma vida de contemplação onde posso, no silêncio e no recolhimento, interceder por toda a humanidade, para que outros possam também ter a experiência do Amor de Deus e Nele encontrem a verdadeira paz.